sexta-feira, 27 de março de 2015

Cinderela - Resenha do filme mais esperado do ano!



Começo essa resenha com aquele sentimento maravilhoso de "Ai meu Deus, acabei de sair do filme mais legal do mundo inteeiro!". Sem exageros, eu não lembro de ter ficado tão tão tão feliz assistindo alguma coisa (e olha que ultimamente eu ando bem pra baixo). Vocês sabem o quanto eu amo tudo que a Disney produz, porém, dessa vez eles se superaram ainda mais (tudo bem, eu sempre penso isso)! Toda essa minha animação motiva do fato de que eu sempre crio as maiores expectativas e, pela primeira vez em toda história mundial, elas foram quebradas! Sem exagerar, os detalhes estão impecáveis. Os atores, completamente dentro dos personagens combinam entre si, a fotografia é maravilhosa, o figurino e os efeitos especiais são de tirar o fôlego... Por mim, vou ao cinema assistir mais umas dez vezes! <3




A maravilhosidade de tudo começa com o novo curta de Frozen, Febre Congelante, exibido antes do filme. É aniversário da princesa Anna e para compensar todo o tempo que passou se isolando para tentar controlar seus poderes, Elsa planeja um dia super especial e uma festa para a aniversariante. Porém, Elsa fica gripada! Eu achei o enredo do curta completamente sensacional, porque é completamente amarradinho com o filme. Se vocês lembram, parte da letra de Let It Go diz "the cold never bothered me anyway", o que significa algo como "o frio não vai mesmo me incomodar". Porém, "cold" em inglês, além de frio, significa resfriado. Dessa forma, Anna ficava o tempo inteiro fazendo trocadilhos mais ou menos como "Assuma, Elsa, o frio te pegou!", enquanto a irmã negava e revirava os olhos incomodada. Talvez para quem não entenda muito bem inglês a brincadeira do roteiro não fique clara (e é por isso que eu tô aqui, hehe), mas eu me diverti muito com a Anna "zoando" da cara da Elsa (e com o Olaf e os pequenos irmãozinhos do Olaf que surgiam toda vez que a Elsa espirrava!). Ai ai, como não amar Frozen? Minha choradeira começou com as irmãs cantando e permaneceu o resto da sessão (passo vergonha, mas faço o que quero! :P)






A primeira imagem do filme Cinderela é exatamente igual à primeira imagem do desenho da Disney: os passarinhos voando. Com essa abertura, podemos perceber o tom e o intuito de todo roteiro, ou seja, foi feito um grande esforço para que a história não fugisse do que vimos na animação. Entretanto, pelo fato de não ser uma película apenas para crianças, o filme é mais completo, contendo cenas com explicações necessárias para que os adultos se convençam que toda a história poderia realmente acontecer. 

Ella é uma criança proveniente de um lar abençoado, com pai e mãe extremamente bondosos e repletos de amor. Por conta disso, sua educação e personalidade se mantém fiéis ao princípio da família durante toda sua vida. À beira da morte, o último pedido de sua mãe é que ela se mantenha "corajosa e gentil", ingredientes indispensáveis para toda boa heroína. Anos após a morte da mãe, o pai decide continuar sua vida e encontra uma nova mulher, a madrasta má.

Após a chegada da madrasta e das irmãs Anastásia e Drisella (que não são nada feias, porém, bregas demais), a vida da família antes recatada, se torna repleta de festas e badalações. Depois de um tempo do casamento, chega o dia em que o pai vai viajar, adoece e não volta mais. Como uma forma de contenção de gastos e para espantar a tristeza do luto, Ella assume todos os serviços de casa e passa a ser a criada da propriedade, sofrendo todos os tipos de abusos imagináveis.





Meu momento de sinceridade desse post começa comigo admitindo que a Cinderela nunca foi minha princesa preferida. Pra falar a verdade, sempre achei ela bem trouxa (deixando claro que uma princesa da Disney trouxa continua sendo mais legal do que todo o resto da humanidade!). Eu nunca entendi direito o motivo dela aceitar ser feita de palhaça pela madrasta. Nesse filme, a explicação dada foi que a protagonista se submetia às humilhações para preservar o espírito da casa e a memória dos pais que foram tão felizes ali.  Apesar da argumentação não ser totalmente convincente pra mim, achei bem bonito esse respeito e carinho com os pais, algo que exemplifica bem o nível de bondade da personagem.






Apesar da gentileza, Cinderela tem plena consciência que é feita de boba e às vezes sai para espairecer. Em um desses passeios, ao defender um alce em uma caçada (linda! <3), conhece o Príncipe, o qual se apresenta apenas como Kit. A maneira com que o personagem masculino é conduzido é incrível, uma vez que o príncipe faz questão de deixar bem claro que o casamento entre os dois só aconteceria com o consentimento da moça (apesar de um alto nobre da época ter o direito de se casar com quem bem entender, a mulher querendo ou não). Li alguns comentários dizendo que isso seria apenas uma reprodução dos tempos politicamente corretos, porém, avalio que a postura de empoderamento da mulher nesse caso é importantíssima, afinal, milhares de crianças assistirão e desde cedo vão entender que a mulher deve fazer o que ela quer! É muito bonito ver a Disney contribuindo para a mudança dos tempos e das gerações (algo que não aconteceu na minha!).





Todos nós sabemos o final da história... Talvez eu me recuse a crescer, porém me identifiquei com muitas partes do filme, como, por exemplo, acreditar no poder da magia (que eu chamo de universo hehe) . Além disso, algo que é constantemente debatido é a noção de que não é porque algo acontece de uma determinada forma que deveria ser assim. Fiquei muito tempo pensando que a Cinderela poderia ser facilmente uma cientista social e desejei por muito tempo morar no filme hahaha <3

Contudo, a questão realmente central é sobre aceitação A protagonista aceita ser feita de boba para defender sua casa e o seu amor pelos pais. Quando todos (inclusive eu, como disse anteriormente) esperam que ela se revolte e quebre a cara de todo mundo, ela continua firme e forte - corajosa. Vocês me chamam de Cinderela? Ok, eu sou Cinderela Não é porque o mundo age de uma determinada maneira e cria expectativas acerca da sua vida, que você precisa ser daquele jeito. !

No final das contas, a máxima de bondade e coragem é assumir e aceitar quem você é, suas fraquezas e qualidades, seguir sempre seu coração. Não por um príncipe, mas pelo reconhecimento de que você é exatamente a melhor pessoa que poderia ser e está no melhor lugar que poderia estar. Não é porque o mundo é doente que você precisa ser também.



Bibidi Bobidi Boo

*Antes de ir ao cinema estava pensando em fazer essa publicação comparando o conto original com a adaptação da Disney. Porém, depois, pensei "que se dane! Esse filme merece todo destaque do mundo". Porém, ainda vou escrever sobre a comparação, me cobrem se eu esquecer! hahaha Os gifs foram retirados do Google mesmo com a pesquisa "Cinderella 2015 gifs", mas todos devem ser do BuzzFeed, porque tudo na Internet é de lá hehe! Comentem muito sobre a experiência de vocês assistindo, as expectativas e sobre a resenha! <3



4 comentários:

  1. Olá Natália! Também assisti ao filme nesta quinta e adorei. Falei brevemente no blog. Adorei sua resenha, super detalhada. Amo contos de fada! Beijos www.mardevariedade.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também sou apaixonada por contos de fadas, não consigo me controlar! haha

      Beijos

      Excluir
  2. Amei sua resenha! Ficou incrível! Estou louca pra assistir esse filme! Principalmente pelas escolhas dos atores (duas atrizes da Downton Abbey e Cate Blanchett maravilhosa), mas também porque Cinderela é um dos meus contos de fadas favoritos (também adoro a versão original dos Irmãos Grimm).
    Vou tentar assistir essa semana!

    Bjos

    http://bymiih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu nem tinha reparado nas atrizes de Downton Abbey, agora que eu percebi! hahahaha Assiste o filme sim, você vai gostar bastante <3

      Beijos

      Excluir