quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Só por hoje e para sempre - Renato Russo (Resenha)

No final de julho a Companhia das Letras e o MIS (Museu da Imagem e do Som) organizaram uma super festa de lançamento para o livro inédito de Renato Russo. Em abril eu já havia comentado por aqui o quanto estava ansiosa para poder ler a série de diários do líder da Legião Urbana, uma vez que sou muito fã de Renato. No evento, além de muita música, tivemos um bate papo com um amigo do cantor (o Paraná, primeiro guitarrista da Legião), o poeta Tarso de Melo, Vladimir Carvalho, diretor do filme "Rock Brasília - Era de Ouro" e Patrícia Lira, funcionária do MIS, cujo trabalho está focado no apartamento de Renato para montar a exposição que ocorrerá no museu em 2017. A conversa foi incrível e me preparou para leitura, focando meu olhar em detalhes que talvez pudessem passar despercebido, mas que fazem total diferença para compreensão do artista (vou basear minha resenha nesses comentários para que vocês possam participar disso um pouquinho também).
"O relato escrito por Renato Russo entre abril e maio de 1993, expondo sua luta contra a dependência química e pela vida, finalmente está à disposição de seus fãs. Um depoimento íntimo, corajoso e repleto de humanidade. Mais do que os bastidores de uma das maiores bandas da música brasileira, e mais do que a reafirmação da sensibilidade do astro do rock, o que emerge destas páginas é o grande homem por trás do mito, determinado a se erguer das sombras em busca de luz."

Uma das primeiras falas no bate papo foi relacionado com o fato de Renato Russo ser um visionário. Os comentadores prometiam que os leitores levariam um grande susto ao perceber que Renato tinha escritos muito bem planejados para serem publicados e lidos no futuro. Um plano ou uma meta para tempos dos quais ele infelizmente não participaria. Essa foi uma grande verdade, porém bem assombrosa. É impressionante o quanto o diário é atual. Poderia estar sendo escrito exatamente nesse instante. Renato e suas vontades são tão atuais que nos esquecemos que já se passaram 22 anos desde que ele encostou a caneta no papel e pensou naquelas palavras.

Algo que sempre senti em relação ao cantor e que foi confirmado no livro é que, apesar de toda sua genialidade, ele era muito "gente como a gente". São as mesmas angústias, as mesmas dores de amor, os mesmos cansaços, as mesmas frustrações com os amigos. Quem nunca se pegou decepcionado por achar que faz muito por aqueles que ama e recebe pouco em troca? A grande diferença é que como era poeta, sentia tudo isso muito a flor da pele e não conseguia encarar tão bem como a maior parte das pessoas. Renato não se conformava e não aceitava a mediocridade das relações, seja com namorados, amigos ou família -o que o torna uma pessoa incrível, afinal, ninguém aplaude gente média.

Apesar desses escritos pro futuro, em uma mesma folha de papel Renato poderia marcar letras de músicas a serem gravadas, confissões dos seus dias ou roteiros para falar nas terapias de grupo. Ou seja, ao mesmo tempo em que o livro publica exatamente aquilo que ele queria publicar, expõe aquilo que talvez ele não desejasse que todos soubessem, o que me causa grande angústia. Pode parecer uma grande contradição, mas as poucas entrevistas e aparições públicas demonstram o quanto Renato fazia de tudo para não aparecer e preservar sua identidade. Provavelmente ele se reviraria no túmulo se pudesse ver todos os seus rascunhos na lista de mais vendidos por semanas consecutivas.

Entretanto, reclamar da publicação de "Só por hoje e para sempre" seria uma grande hipocrisia minha. Amei ler todas as feridas abertas de Renato. Só quem é realmente fã pode entender o prazer e a alegria de ter certeza das suas semelhanças com seu ídolo. Eu ainda sorrio e morro de raiva quando lembro que um dos maiores sonhos de Renato Russo era dirigir um filme sobre "Capitães da Areia" (Renato Russo + Jorge Amado = Natália mortinha de tanto amor).

Uma das minhas maiores crenças é que tudo acontece por um motivo específico e sou muito grata pelo Renato Russo ter vivido. Ele muda minha vida todos os dias e a de milhares de outras pessoas, conectadas pelo amor a 3 acordes e uma boa poesia. Só por hoje e para sempre: comprem, leiam e guardem no melhor lugar da estante. Nós somos a Legião, nós merecemos <3


Na festa e nas livrarias estão disponíveis alguns carimbos para "autografar" o livro com a assinatura do Renato



PS: ultimamente tenho usado bastante o Snapchat! No dia da festa mostrei tudo o que estava acontecendo por lá. Meu usuário é: nataliaassarito. Me sigam! <3


7 comentários:

  1. Parabéns pelo seu blog leio sempre é e sempre, quem sabe não serás uma incrível Escritora no futuro rs, suas conexões mostram quem você é, e sua conexão com o Universo apenas me mostra o quão Fantástica você é, uma Garota que vai além de Renato de Jorge Amado muito mais além que Coco rs Você é Uma Pessoa Brilhante Aguarde que suas conquistas será inúmeras Boa tarde

    ResponderExcluir
  2. Ótima resenha! Também gostei muito do diário! Adoro as letras da música. Queria que o Renato tivesse sido mais feliz. Bjs www.mardevariedade.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também queria que ele tivesse sido mais feliz, mas aí ele também não teria sido o Renato :/

      Beijos

      Excluir
  3. Adorei a resenha, Na! Estou com muita vontade de ler esse livro! Ele já está na minha listinha desde o lançamento, parece ser ótimo!

    Bjoss
    http://bymiih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Amei esse livro, Natalia. A edição ficou linda. Que maravilha você ter ido para esse encontro. Sem dúvidas, enriqueceu a leitura.
    Tb amei ter lido todas essas feridas abertas do Renato.

    Beijos!
    www.subindonotelhado.com.br

    ResponderExcluir